VISITAS

quinta-feira, 19 de maio de 2011

TÍTULO PRÓPRIO: “ Agonia Social "
Título da Obra: “ A Morte de Ivan Ilitch “Autor: León Tolstoi

Origem da literatura: Russa

Editora, Data da publicação, Páginas:
Ed. L&PM Editores, 1997, 109 páginas.

Descrição da estrutura: Obra dividida em 12 capítulos, num
total de 109 páginas.

Personagens: Ivan Ilitch ( protagonista ), Praskovya Fiodorovna ( esposa ), Piotr Ivanovich ( suposto amigo ), Gerassim
( empregado ), Lisa ( sua filha ), Vladimir ( seu filho ).

Obra: Ivan Ilitch, um burocrata soviético, magistrado do Tribunal de Justiça de São Petersburgo, morrerá ao final dessa
novela. Isso, o próprio título nos traz.
Ivan será submetido a uma série de infortúnios que servirão para
lapidar seu senso crítico em relação ao seu contexto familiar e
alguns valores relacionados à sua vida profissional e ao que a so-
ciedade valoriza.
Um leve ferimento doméstico dá início ao seu calvário solitário.
O texto inicia-se com a notícia de sua morte. O comportamento dos
seus colegas perante tal notícia já poderia ser presumido por Ivan
ao final dos seus dias, depois de muita reflexão solitária.
Ao invés de tristeza, pesar, lamento, surgem de imediato especula-
ções acerca da dança dos cargos, pela vaga deixada pelo “ ex-ami-
go”, oportunamente morto.
Ivan vive com intensidade ímpar sua ansiedade, sua perplexidade,
seu inconformismo e revolta com a evidente e iminente proximi—
dade de sua própria morte, apesar de num primeiro momento re-
sistir muito a ser alcançado por ela.
O que baliza a mensagem proposta por Tolstoi nesse texto é, de fa-
to, um recado ácido e rude às distorções vividas na sociedade
em questão. E o que é ainda pior, é que a Morte de Ivan Ilitch
permanece atual e será por muito tempo, atemporal !
Toda revolta e inconformismo já descrito, vividos por Ivan, se
aplicam, de início, num momento pós-mortem, em que seus ex-co-
legas de trabalho preocupam-se, de imediato, com a dança dos
cargos que a morte de Ivan proporcionaria, sem que houvesse por
parte de qualquer um a mínima demonstração de lamento ou
pesar pela perda do companheiro.
Já no velório, dois episódios lamentáveis ! Sua esposa, em pleno
velório, busca informações de como conseguir uma maneira de
extorquir um pouco mais de dinheiro do governo e melhorar a
quantia recebida de pensão pós morte. O outro episódio é protago-
nizado pelo seu “ grande amigo” Piotr Ivanovich, que tenta de to-
da maneira se desvencilhar do velório para não perder sua noite
de jogo de cartas.
Ivan sofre com sua doença, mas sofre mais ainda com a falta de prazer em estar com a família, além de sentir o desinteresse e
menosprezo pela gravidade do seu estado de saúde, por todos ...
Era alvo da solidariedade humana, apenas por conta de seu em-
pregado camponês Gerassim, fidelíssimo e desinteressado compa-
nheiro.
Nem mesmo a comunidade médica foi capaz de demonstrar aco-
lhimento. Um grande e lamentável exemplo de contra-medicina.
Por fim, Ivan morre incrédulo. Mas não incrédulo com a morte.
Incrédulo com a miséria social, com a miséria de solidez familiar,
com a miséria de solidariedade cotidiana, com a miséria de
doação involuntária desprovida de interesse, com a miséria de
fé no próprio homem . . .

Opinião: Trata-se de um texto atemporal, uma vez que é plena-
mente ilustrativo no tipo de sociedade vigente.

Citações de “ A Morte de Ivan Ilitch “:... “ à medida que a esposa ia ficando mais irritada e exigente, Ivan Ilitch ia transferindo o centro de gravidade de sua existência da família para o trabalho. Tornava-se cada vez mais absorvido por suas tarefas oficiais, com uma ambição que jamais tivera” ...


O AUTOR:



Data da resenha: 19 de Maio de 2011

Autor da resenha: Márcio A. S. Ferraz

Local: Alameda das Paineiras, 60 - Itapevi – S.P

Nenhum comentário:

Postar um comentário