VISITAS

quinta-feira, 11 de julho de 2013


TÍTULO PRÓPRIO:     “ Raízes “

Título da Obra:    “ Lendas de Tiradentes “
 

Autor:  Lendas coletadas pelos participantes do II Concurso Histórico-Literário do Instituto Histórico e Geográfico de Tiradentes  -  1979.

Origem da literatura:    Brasileira

Editora, Data da publicação, Páginas:    Instituto Histórico e Geográfico de Tiradentes,  2011,  63 Páginas.


Descrição da estrutura:    Obra apresenta o relato de 51 lendas referentes à cidade de Tiradentes-MG.


Fontes das Lendas:  As lendas “ Santo Antônio do Canjica “, “ Moça do Caxambu “ e a “ Missa das Almas “ foram adaptadas a partir do livro “ Lendas da Cidade de Tiradentes “, de Lacyr Schetino, de 1981.

As lendas “ A Mulher  e o Tocheiro “, “ O Monstro da Casa de Pedra “ e a “Noiva Abandonada “ foram adaptadas a partir do livro “ Turismo Cultural em Tiradentes “, de Américo Pellegrini Filho, de 2000.

As demais lendas foram coletadas pelos participantes inscritos no concurso do Instituto Histórico de 1979.

Obra:   Trata-se da descrição de 51 lendas relativas à cidade de Tiradentes-MG, antiga e pacata Vila de São José Del Rei, hoje uma cidade de pouco mais de 6000 habitantes protegida e observada pela exuberante Serra de São José.

Uma das lendas trata exatamente do envolvimento de São José e Santo Antônio pela disputa de quem seria, de fato, o padroeiro da cidade.

Disputa essa, que fora criada pelos antigos moradores, divergentes sobre o tema e não pelos próprios santos.

Santo Antônio passou a ser, definitivamente, o padroeiro de Tiradentes, cabendo a São José a tarefa de abençoar as águas do Chafariz, que descem da linda serra que também leva o seu nome.

De acordo com a lenda, os próprios santos resolveram a questão, independente das opiniões dos ilustres moradores ...

 Existe uma outra lenda que se entrelaça com o contexto histórico de Tiradentes, mais precisamente a Guerra dos Emboabas e a interferência pontual de Santo Antônio na resolução dessa questão.

Nos idos de 1708 e 1709, as descobertas auríferas pelos paulistas na região do Rio das Mortes ( rio que cruza a cidade de Tiradentes ), gerou um conflito direto com os portugueses, que numa situação de embate iminente propuseram aos paulistas que depusessem suas armas em troca da garantia de preservação de suas vidas.

No entanto, isso não aconteceu.
Os paulistas depuseram suas armas e foram traídos e chacinados pelos portugueses, num episódio que passou para a história como o “ Capão da Traição “.

Viria, posteriormente,  uma tentativa de vingança por parte dos paulistas, liderada por Amador Bueno da Veiga, que cercou o Arraial do Rio das Mortes, mantendo os portugueses, dessa forma, entrincheirados, acuados e em expressivo menor número.

Restava aos portugueses, como única saída,  aguardar possíveis reforços esperados de Ouro Preto e Sabará.

Daí surge o fato curioso ou lendário. Na manhã seguinte ao cerco promovido pelos paulistas ao Arraial reinava o mais absoluto silêncio. Não havia sinal de um paulista sequer. Terminava, assim, a Guerra dos Emboabas.

De acordo com a lenda, isso teria tido influência direta de Santo Antônio, operando um milagre e protegendo Tiradentes de mais um conflito violento.

Outra lenda interessante traz algumas explicações do porquê de cada casa de Tiradentes ter em sua porta uma cruz pendurada ou pregada no seu lado de fora.

A primeira explicação diz que quando se casa é aconselhável colocar a cruz do lado de fora de sua casa para que, em primeiro lugar, saibam que ali mora um católico, além de evitar que a doença e a maldade entrem em sua casa, eliminando a presença do demônio.

Uma segunda explicação vem de uma época em que teria havido uma epidemia de varíola na cidade. Muitos adoeceram gravemente. Em certa ocasião um padre teria tido um sonho em que fora alertado por um anjo para que todos os que colocassem um cruz do lado de fora de sua casa seria abençoado com a cura da doença.
Essa casa, dessa forma, ficaria livre da varíola.

Uma terceira explicação se origina a partir da comemoração do dia de Santa Cruz, que se dá no dia 03 de Maio. O que se alega é que, se na véspera do dia de Santa Cruz, o morador tiver colocado uma cruz do lado de fora de sua casa, ela seria abençoada.

Nessa data Nossa Senhora estaria à procura de seu filho e, portanto, quando ela visse uma cruz na porta ou no batente de uma casa, acharia que lá seu filho estaria, entraria nessa casa e a deixaria então, abençoada pela sua presença.

 
Opinião:  Trata-se de uma obra compilada a partir de “causos” e ditos colhidos a partir de informações dos antigos moradores da cidade.

Alguns episódios se entrelaçam com fatos históricos e podem ajudar a esclarecer alguns pontos ditos duvidosos.
O mais importante, no entanto, é tratar-se de um livro de nos remete às nossas raízes, nos leva a compreender um pouco a dinâmica de uma cidadezinha tricentenária, que mantém firmes suas tradições e sua riqueza cultural à disposição para os que tenham interesse e o privilégio delas desfrutar.



Data da resenha:    11 de Julho de 2013.

Autor da resenha:     Márcio A. S. Ferraz

Local:     Alameda das Paineiras, 60   -   Itapevi – S.P

 

 

quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013



TÍTULO PRÓPRIO:     “ A Arte do Ilusório “

Título da Obra:    “ O Colecionador de Lágrimas “
 
 

 
Autor:  Augusto Cury

Origem da literatura:   Brasileira

Editora, Data da publicação, Páginas:  Ed. Planeta,  2012,  366 Páginas

Descrição da estrutura:    Obra dividida em 23 capítulos, num total de 366 páginas.

Personagens:   Júlio Verne ( professor universitário ), Katherine ( sua mulher ), Dr.James Klerk ( sogro de Júlio ), Helen ( sogra de Júlio ), Billy ( inspector de polícia ), Max Ruppert ( Reitor da Universidade ), Antony ( pró-reitor acadêmico ), Michael ( coordenador do curso de Direito ), Paul ( professor e desafeto de Júlio ), os melhores alunos, Evelyn, Lucas, Peter, Gilbert, Débora, Elizabeth.


Obra:  Um professor universitário, chamado Júlio Verne, especialista em II Guerra Mundial, tinha profundo prazer em ensinar. Era adepto do ensino provocativo, estimulador, desafiador, o que nem sempre agradava, mas conseguiu cativar alunos-admiradores em número expressivo.  
De família judia, casa-se com uma cristã, Kathe, mas convivem sob um mútuo respeito no que se refere às suas convicções religiosas.
Em dado momento, Júlio passa a ter terríveis pesadelos, em que fazia parte do exército nazista e participa, de certa forma, do extermínio dos seus pares judeus, tendo sempre uma postura omissa, ou pelo menos nada combativa para que cada morte pudesse ser evitada. Essa posição omissiva e covarde muito o atormenta.

Os pesadelos tornam-se cada vez mais frequentes e sua resistência emocional e física torna-se cada vez menor em contraste com sua vontade de ensinar e estimular seus alunos a pensar, a refletir, a serem críticos.
Suas aulas pouco convencionais desagradam alguns alunos, desagrada muito a reitoria, pois passa a ser, de certa forma, a estrela da universidade, tanto que alunos de qualquer curso faziam questão de assistir as suas aulas e até mesmo de outras universidades.

Júlio passa a sofrer atentados, sua vida e a de sua mulher corre sério risco, passam a viver sob forte proteção policial, é suspeito de estar sofrendo de sérios problemas mentais, pelo fato de literalmente viver a realidade dos seus pesadelos durante a II Guerra. Suas aulas servem para expor e interpretar a personalidade de Adolf Hitler e tentar justificar suas ações e sua capacidade de persuasão frente a um povo de tamanha cultura.
Estimula a pensar. Como foi possível um indivíduo intelectualmente frágil, rude, pouco lapidado, um forasteiro, ter sido capaz de persuadir o povo alemão, que era tido como o mais diferenciado culturalmente na Europa da época.

Em dado momento, Júlio é procurado por um grupo que lhe traz a explicação de todos os seus transtornos e a solução para que se livre dessa situação complicadíssima. Alegam terem conseguido construir uma máquina do tempo que lhe dará condições de viajar até o período da II Guerra e anular as ações de Adolf Hitler. Isso resolveria o impasse de sua vida estar em xeque e faria com que a história tivesse novos rumos, sem a tragédia do holocausto.



Opinião:  Por se tratar de um romance histórico, tem grande valor por trazer informação a público de um importante período da história mundial, pouco conhecido por muitos.
Esse livro, claramente, foi resultado de uma árdua pesquisa e de muito estudo pessoal por parte do autor para expor da forma mais didática possível, informações valiosas sobre o período do holocausto.
A construção da evolução da II Guerra em cima da criação de um personagem, professor de história é bem criativa e expõe um estudo refinado da personalidade de Adolf Hitler, de modo que nos ajuda a compreender como uma pessoa de modos pouco elaborados e de formação acadêmica tão pobre pode dominar as mais diferenciadas camadas sociais da Alemanha cultural de meados do século 20.

Pessoalmente considero que o livro teve um desenrolar muito bom até o capítulo 20, sendo que a partir daí, o desenlace do grande problema que Júlio Verne  conquistou, trouxe problemas ao autor. Este encontrou uma maneira muito desvinculada de tudo que abordou até o capítulo 19 para finalizar a obra, o que a fez perder parte do seu encanto, mas não o seu valor.

 
Informações relevantes:  Aqui, descreverei informações e dados que são interessantes para sedimentar o conhecimento trazido por esse livro sobre esse período.
Hoje, existe um Museu do Holocausto na Polônia, na região da Cracóvia, onde foram construídos os 3 campos de concentração de Auschvitz, sendo o número 2 o mais terrível deles ( Auschvitz-Birkenau ).

A idéia de contrução de campos de extermínio vem da lembrança dos primeiros campos da história, nessa modalidade, construídos pela Inglaterra, na África do Sul, durante a Guerra dos Bôeres ( 1899 – 1902 ).
Os principais campos de concentração ( de extermínio ) construídos na época foram Auschivitz-Birkenau, Belzec, Sobibór, Majdanek e Treblinka. Todos eles usavam como gás um pesticida à base de cianeto chamado Zyklon B, que causava asfixia, vômitos incoercíveis e diarreia intensa.

 Adolf Hitler, um austríaco, portanto um forasteiro, um não alemão, um não ariano, desde muito cedo tinha planos para a Alemanha. Nesse momento, algumas informações serão úteis para tentarmos desvendar como conseguiu dominar uma Alemanha tão estruturada do ponto de vista cultural.
É sabido que a Alemanha foi berço de grandes pensadores como Kant, Hegel, Schopenhauer, Karl Marx, Nietzsche e Max Weber.
Hitler queria a todo custo inaugurar o III Reich ( Império Alemão ) e tornar-se seu Führer ( guia, condutor, chefe ).

O I Reich fora o Santo Império Romano-Germânico, entre 926 e 1826, já o II Reich fora criado após a unificação da Alemanha, entre 1871 e 1918.
Hitler criou a insígnia, que depois foi o símbolo do Partido Nacional-Socilaista ( Nazismo ), já em 1923, dez anos antes de assumir a chancelaria alemã.
Assume o comando alemão em 10 de Janeiro de 1933  ( há 80 anos ) e dois episódios culturais foram determinantes para lapidar suas pretensões destrutivas e exterminadoras, isso de acordo com sua interpretação. 
 
A Ópera Rienzi, de Richard Wagner, composta entre 1837 e 1840 e o filme Der Tunnel, de Bernhard Kellerman, de 1933.
A sequencia de atrocidades inicia-se, formalmente a partir daí.

Hitler tinha aos seus pés a SS ( Schutzstaffel ), sua Tropa de Proteção e a Gestapo ( Geheime Staatspolizei ), a Polícia Secreta do Estado.
Tinha ainda, 12 “apóstolos”, Heinrich Himmler, Goebbels, Hermann Hess, Göring, Rosenberg, Ribbentrop, Schirach, Streich, Frick, Fünk, Ley e Brauchitsch e teve até a sua derrota a sua maior aliada, sua psicopatia.

A pergunta que mais se faz. Como esse homem limitado conseguiu dominar um celeiro cultural como a Alemanha?

A resposta vem de uma “conspiração” de fatores que se associam, beneficiam e alimentam psicopatia de Hitler.
Sim, Adolf Hitler não era um psicótico e sim um psicopata.
O psicótico perde a noção da realidade e não tem consciência dos seus atos, nem capacidade para discernir as consequências do seu comportamento, já o psicopata tem plena consciência da consequência do que faz e pode ser responsabilizado por cada ato.
Particularmente, por sua virulência e poder de destruição social, a psicopatia de Hitler ganha contornos de sociopatia.
Dentro dessa psicopatia, há características que desenvolvem uma necessidade neurótica de poder e de evidência social, com grande capacidade de dominar as massas.

Agora, atrelado à sua doença mental, o momento vivido pela Alemanha no pós I Guerra Mundial foi decisivo para os planos de Hitler.
A Alemanha passou por um enorme vexame ao perder a guerra e sofria com as pesadas indenizações impostas pelo Tratado de Versalhes, que ajudou a levar o país à beira da falência.
A partir daí, a inflação galopante, desemprego em massa, falta de liderança nacional, falta de perspectiva de melhora num longo prazo.
Esse cenário fazia com que o instinto de sobrevivência fosse muito maior que a consciência crítica que deveriam ter.

É isso que aconteceu, Hitler “ataca” a Alemanha quando sua imunidade psíquica está em baixa, como vírus oportunista num organismo debilitado.
Soma-se a isso o seu comportamento eletrizante que sedimentava seu magnetismo social, que se baseia nas características abaixo:

- voz teatral e imponente nos seus discursos, - supervalorização da crise social e econômica, - propagava continuamente uma ameaça comunista, - lembrava a todo tempo da forma como a Alemanha fora humilhada na I Guerra, instigando o ódio alemão, - criou dois inimigos mortais para a Alemanha, a serem combatidos a qualquer custo, os marxistas e os judeus, - promoveu o valor de uma raça ariana para recuperar a auto-estima do povo alemão puro,  - exaltava o nacionalismo e o valor de origens humildes, - verborreia, uma necessidade neurótica de falar e convencer por longos discursos.

 
Citações de “ O Colecionador de Lágrimas  “:
 
“ ... a violência não é produzida apenas por seus patrocinadores, mas também pelos que se calam sobre ela ... “
 
“ ... ser resolvido não quer dizer não sentir culpa. A culpa é um raciocínio complexo, de importância vital para reconhecer erros e corrigir rotas. Se for bem trabalhada, é uma brilhante ferramentaa para desenvolver a maturidade ... “
 
“ ... a angústia é uma masmorra emocional, que nos asfixia ao ar livre ... “
 
“ ... se as derrotas não fizerem um homem cair, dê-lhe muito sucesso, que, embriagado com ele, cairá ... “
 
“ ... ousadia não é falta de medo, mas a capacidade de dominá-lo ... “
 
“ ... é melhor o som da insensatez do que o silêncio da timidez ... “
 
“ ... quando o preço da liberdade é mais alto do que o preço do seu salário, a única saída é se demitir ... “

 
 
 
 
   O Autor: Augusto Cury



Data da resenha:    28 de Fevereiro de 2013.

Autor da resenha:     Márcio A. S. Ferraz
 
Local:     Alameda das Paineiras, 60   -   Itapevi – S.P

 

 

sábado, 16 de fevereiro de 2013

LITERATURA E FÍSICA

NIKOLA TESLA

Para quem gosta de Literatura e aprecia a Física, pode ser uma boa pedida.


Nikola Tesla, nascido em Smiljan, na Croácia em 10 de Julho de 1856, então parte da Áustria-Hungria, naturaliza-se Americano em 1889 e morre em 07 de Janeiro de 1943 , em Nova Iorque, Estados Unidos.

Morreu aos 86 anos.

Formação acadêmica em Engenharia Elétrica e Física notabilizou-se por suas descobertas nas áreas da eletrotécnica e da radioeletricidade, como os Princípios da Corrente Alternada ( 1881 ).

Os trabalhos do inventor foram fundamentais para a transmissão de energia elétrica e para a tecnologia do rádio e da televisão.

Tesla é brilhante e nada convencional e suas excentricidades de inventor garantem o interesse por seus trabalho autobiográfico. É justamente sua excentricidade que torna o livro interessante.
Afinal de contas um livro de memórias de um Engenheiro Elétrico dificilmente seria algo atraente.

Mas é !

Tesla disse " o desenvolvimento progressivo do homem é vitalmente dependente da invenção. Ela é o produto mais importante de seu cérebro criativo ".

Disse ainda, " seu propósito final é o domínio completo da mente sobre o mundo material, a subordinação das forças da natureza às necessidades humanas ".

Em sua honra há uma Unidade de Medida de Densidade de Fluxo Magnético ou Indução Magnética, que é a Unidade  SI Tesla ( T ).


OBRA:  MINHAS INVENÇÕES
Editora: Unesp
Tradução: Roberto Leal Ferreira
R$ 20,00
116 Páginas.

quinta-feira, 17 de janeiro de 2013

LER FAZ BEM ...

OS CLÁSSICOS EM NOSSAS VIDAS


Resultado revela que atividade cerebral 'dispara' com semântica complexa.

Pesquisa também sugere que poesia é mais eficaz que livros de
autoajuda.

Leitura de autores clássicos estimula o cérebro, diz estudo


 
Um estudo da Universidade de Liverpool, no Reino Unido, divulgado nesta terça-feira (15), sugere que ler autores clássicos, como Shakespeare e T.S. Eliot, estimula amente.
 
Além disso, pesquisa conclui que a poesia pode ser mais eficaz em tratamentos do que livros de auto ajuda.

Especialistas em ciência, psicologia e literatura inglesa da universidade monitoraram a atividade cerebral de 30 voluntários que leram primeiro trechos de textos clássicos. Em seguidas, leram esses mesmos parágrafos traduzidos para a linguagem coloquial.

Os resultados, que serão apresentados esta semana em uma conferência, foram antecipados pelo jornal britânico "Daily Telegraph".

De acordo com a publicação, os resultados mostram que a atividade do cérebro "dispara" quando o leitor encontra palavras incomuns ou frases com uma estrutura semântica complexa, mas não há reação quando o mesmo conteúdo é expresso em linguagem coloquial, com fórmulas de uso cotidiano.

Esses estímulos se mantêm durante um tempo, potencializando a atenção do indivíduo, segundo o estudo, que usou textos de autores ingleses como Henry Vaughan, John Donne, Elizabeth Barrett Browning e Philip Larkin.


Os especialistas descobriram ainda que a poesia "é mais útil que os livros de autoajuda", já que atinge o lado direito do cérebro – onde são armazenadas as lembranças autobiográficas – e ajuda a refletir sobre as memórias e entendê-las sob outra perspectiva.

"A poesia não é só uma questão de estilo. A descrição profunda de experiências acrescenta elementos emocionais e biográficos ao conhecimento cognitivo que já possuímos de nossas lembranças", explica o professor Philip David, que vai apresentar o estudo.

Os especialistas buscam compreender agora como a atividade cerebral foi afetada pelas contínuas revisões de alguns clássicos da literatura que buscam adaptá-los à linguagem atual, como é o caso das obras de Charles Dickens.

terça-feira, 15 de janeiro de 2013

PAINEL DE POSTAGENS

CONTEÚDO DO BLOG ATÉ O DIA 15/01/2013


1.  O Velho e o Mar     -     Ernest Hemingway
2.  1.984     -     George Orwell
3.  Manuscrito Encontrado numa Garrafa     -     Edgar Allan Poe
4.  A Morte de Ivan Ilitch     -     Leon Tolstoi
5.  Mais Uma Vez é Preciso Recomeçar     -     Marise Ceban
6.  Renascendo do Ódio     -      Wanda A. Canutti
7.  Nosso Lar     -     Francisco C. Xavier
8.  A Cabana     -     Willian P. Young
9.  O Pequeno Príncipe     -     Antoine Saint-Exupèry
10. Kafka em 90 Minutos     -     Paul Strathern
11. Jó - Romance de um Homem Simples     -     Joseph Roth
12. A Viuvinha     -     José de Alencar
13. Cinco Minutos     -     José de Alencar
14. Prometeu Acorrentado     -     Ésquilo
15. Antígona     -     Sófocles
16. Édipo-Rei     -     Sófocles
17. Medéia     -     Eurípides
18. São Bernardo     -     Graciliano Ramos
19. O Presidente Negro     -     Monteiro Lobato
20. Triste Fim de Policarpo Quaresma     -     Lima Barreto
21. Heinrich Heine
22. Gonçalves Dias
23. Hermann Hessee
24. Guia de Bibliotecas pelo Mundo
25. Antonio Callado
26. J. D. Salinger
27. Lewis Carrol
28. James Joyce
29. Anton Tchekhov
30. Aniversário de 90 anos da Semana de Arte Moderna
31. Gabriel Garcia Marquez
32. Castro Alves
33. Cruz e Souza
34. Homenagem ao Dia Internacional do Livro
35. Rui Barbosa
36. John dos Passos

JOHN DOS PASSOS


NOVA EDIÇÃO DE JOHN DOS PASSOS

John Roderigo dos Passos, nasceu no dia 14 de Janeiro de 1896 em Chicago, Estados Unidos e morreu no dia 28 de Setembro de 1970, na cidade de Baltimore, Estados Unidos.

Ontem, 14 de Janeiro de 2013, faria 117 anos.

Morreu aos 74 anos.

Romancista, pertencente ao Modernismo americano, neto de um sapateiro português e filho de um advogado, foi educado pela mãe, em casa.
Graduou-se na Universidade de Harvard.
Dos Passos é um dos maiores romancistas norte-americanos e pertence à chamada "Lost Generation", juntamente com Ernest Hemingway, T.S. Elliot e F.Scott Fitzgerald.

Em certo momento, resolve saber mais sobre suas origens e aproxima-se do Brasil em três viagens realizadas em 1948, em 1958 e em 1962.
Após essas viagens lançou nos EUA, em 1963, a obra "Brazil on the Move", que é um misto de reportagem, crônica de viagem e ensaio.


Exatamente após 50 anos, o livro ganha uma nova edição pela Editora Benvirá, agora com o título "O Brasil em Movimento".

John dos Passos tem como obras-primas a "Trilogia USA", que se compões dos seguintes livros:







* Paralelo 42   
* 1.919
* O Grande Capital                         





Retratam a realidade social e econômica americana nos períodos pré-I Guerra Mundial, em "Paralelo 42",  durante a I Guerra Mundial, em "1.919" e a realidade pós-I Guerra Mundial em "O Grande Capital".





Essas obras serão detalhadas quando forem alvo de suas respectivas resenhas.