VISITAS

sexta-feira, 1 de abril de 2016

02 DE ABRIL - DIA MUNDIAL DO AUTISMO


                                                       
                        
Uma criança.

Ela é especial. Está no espectro.

Especial como ?
Acredito que todo pai ou mãe considere seu filho(a) especial. Ou não?
Ah, especial porque não pode fazer o que as crianças normais fazem.

A questão é:
Os que as crianças ditas normais são capazes de fazer?

E o que a minha criança é incapaz de fazer?
Incapaz de ter maldade, incapaz de mentir, incapaz de fazer planos para prejudicar outra criança, incapaz de manipular, incapaz de ter interesse material, incapaz de julgar, incapaz de fazer jogos mentais e incapaz de querer além do que precisa.
Bendita incapacidade, não !?

Quanto ao espectro, é fácil. O autismo em si é um espectro. Não existem dois autistas iguais. A gama de possibilidades é ampla, por isso é preciso existir um espectro.
Tomara que a minha criança seja, de fato, especial, porque estamos carentes disso. Dessas especialidades.
  
Os autistas são como as aves, cada uma voa de um jeito, mas todas podem e têm o direito de voar para onde quiserem.
E, quanto mais longe forem sem ajuda, mais difícil será alcançá-las.


Não é fácil ter um filho autista, certo?
Talvez não. Mas quem determinou que estamos por aqui, momentaneamente, para termos facilidade. Tenho convicção de que tenho exatamente aquilo de que preciso. Minha família foi preparada especialmente para mim. Com exclusividade.

Já ouvi, de inúmeras pessoas, que um filho autista, só vem para pais preparados para cuidar dele. Isso é um engano enorme.

Um filho autista vem para pais que mereçam e que precisam tê-lo;
Tê-lo é uma dádiva, uma honra, um privilégio ...
É para poucos !
Tê-lo é submeter-se a aprendizado, todos os dias, sem falta.

Meu menino adora quebra-quebras. Curioso. As pessoas grandes, como diz nosso “Pequeno Príncipe”, tem o péssimo hábito de querer encaixar as pessoas onde elas não cabem, como um quebra-cabeça com peças inadequadas. O autista é isso. Só precisa ser encaixado onde cabe. Nada mais.

O maior especialista do planeta em autismo recomenda as intervenções comportamentais e às vezes alguma medicação, mas o que ele mais recomenda é respeito e paciência.
Não se deve perder tempo buscando, nesse momento, a cura para o autismo, apenas compreenda-os.

Vendo-os de fora para dentro, nunca poderá entendê-los, vendo-os de dentro para fora, nunca poderá explicá-los, agora dedicando-se a eles, poderá compreendê-los.

Eles podem aprender, apenas ensine-os de diversas maneiras, com dedicação; tenha prazer em fazer com que tenham prazer em aprender; você vai se surpreender ...

                                                        


Ser pai ou mãe de qualquer criança não é tão difícil, agora ser pai ou mãe de  um autista, é ser capaz de entender aquilo que o  filho não disse.