VISITAS

sexta-feira, 10 de junho de 2011

TÍTULO PRÓPRIO:     “ Risco “

Título da Obra:    “ Antígona “


Autor:   Sófocles

Origem da literatura:   Grega  

Editora, Data da publicação, Páginas:    Ed. L&PM Editores, 1999, 90 páginas   

Descrição da estrutura:    Peça de teatro.


Personagens:   Antígona ( filha de Édipo e Jocasta ),  Ismene ( irmã de Antígona ),  Etéocles e Polinice ( irmãos de Antígona ), Corifeu, Creonte ( Rei de Tebas ),  Eurídice    ( esposa de Creonte ), Hemon ( filho de Creonte ),  Tirésias, Guarda real ,  1 e 2ª Mensageiros.

Obra:  Os irmãos de Antígona morrem. O rei Creonte, através de um decreto, determina que Etéocles seja sepultado de forma digna por considerá-lo um honroso defensor da pátria, enquanto considerava Polinice um ofensor da pátria e, dessa forma ordena e proíbe seu sepultamento, alegando que merecia ficar à mercê das aves de rapina e dos cães.
Antígona, irmã resolve enfrentar sozinha os desmandos infundados e desmedidos de Creonte. Resolve não mais tolerar a tirania inconseqüente que pairava em Tebas através sombra imposta por Creonte.
O comportamento ultrajante e corajoso de uma mulher naquela época lhe traria sérias conseqüências, mas lhe traria o prazer de agir de acordo com suas convicções, sem medo, tendo ao seu lado a dignidade e a correção de conduta.
Esse mesmo comportamento de confronto perante ao rei, também traria sérias conseqüências à tirania. Seu reinado, de Creonte, passaria por muitos dissabores.
Antígona, desrespeitando o decreto real, sepultou o irmão Polinice. Foi flagrada e levada até o rei. Mesmo comprometida com o filho do rei, Hemon, não teve clemência. Foi condenada à morte, sendo enviada a uma prisão lavrada em rocha para perecer até seus últimos dias.
Por esse ato, Creonte foi alertado pelo adivinho Tirésias, que sua vida seria acometida por uma série de desgraças. Também fora alertado por Corifeu e pelo seu filho Hemon.
Sua tirania não ouvia os alertas.
Em dado momento sucumbiu aos apelos. Fora tarde demais !!
Creonte chega à tumba e encontra Antígona enforcada por um fino lenço e depara-se com seu filho Hemon. Este o fita com olhar raivoso e mata-se com uma espada.
Retornando ao reino o segundo mensageiro noticia a Creonte que tua esposa, a mãe do filho morto está, da mesma forma, morta.
Eis o desfecho provocado pela coragem e ousadia de Antígona em discordar da tirania de um indivíduo.

Opinião:  Algumas lições podem ser aprendidas com a obra. Sua antiguidade nos traz
para o pensamento de como é também contemporânea.
Podemos nos deparar com as conseqüências que os desmandos acarretam a partir do momento em que se perde a capacidade de ouvir conselhos e refletir sobre a exposição de opiniões contrárias. Paga-se um preço !
Podemos perceber  o quanto a presença do dinheiro pode ser perniciosa se não tivermos a lucidez de estabelecermos com ele uma relação equilibrada e harmoniosa.
Presenciamos também a força que uma pessoa pode ter ( mais precisamente uma mulher ), com a simples atitude de fazer valer seus princípios de dignidade e respeito
em relação a outro indivíduo, mesmo que contrariando normas tirânicas descabidas que poderiam colocar em risco sua própria integridade física.




                                                                      
                                                                   O Autor:   Sófocles






Citações de “ Antígona “:  

 “ ... nenhuma instituição pior que o dinheiro floresceu
entre os homens ... “
“ ... o dinheiro, devasta cidades, arranca homens de suas casas, alicia e seduz corações
virtuosos a praticar ações infames. Leva homens a cometer crimes e os inicia na
impiedade, origem de todo o mal. Mas os que delinqüem subornados terão um dia que
prestar contas de seus atos ... “
“ ...verás que com ganhos ilícitos os que se arruínam superam os que prosperam ... “
“ ... poderá haver chama mais pestilenta que um mau amigo? ... “
 “ ... a arrogância atrai a loucura ... “
“ ... para os homens a falta de conselho é o maior de todos os males ... “
“ ... o silêncio completo parece-me tão grave quanto alarido descontrolado ... “
“ ... a prudência é, em muito, a primeira das venturas ... “
“ ... velhice ensina prudência ... “

Data da resenha:    10 de Junho de 2011

Autor da resenha:     Márcio A. S. Ferraz

Local:     Alameda das Paineiras, 60   -   Itapevi – S.P





Nenhum comentário:

Postar um comentário